Casa 1
ONG Casa 1 (Foto: Reprodução)

Menos de uma semana depois do seu coordenador Irlan Gustín fazer um apelo no qual pedia doações para não fechar a Casa 1, foi divulgado que a entidade atingiu a marca e não precisará mais fechar as portas. A ONG que acolhe LGBTs em situações de vulnerabilidade, em São Paulo

Com a divulgação de nomes LGBT, o local conseguiu bater o número para mais que o dobro. A arrecadação conseguirá manter o local por pelo menos mais um ano. Pabllo Vittar, Gloria Groove, Lia Clark, Lorelay Fox, Diva Depressão, foram alguns nomes, entre outros, que apoiaram a campanha.

Dos R$ 36 mil iniciais pedidos através da campanha de financiamento coletivo que equivalia as doações mensais que pagaria os seus custos e ultrapassou o número pretendido que chegou a mais de R$ 80 mil.


LEIA MAIS:

Guarda civil agride jovem em frente a boate LGBT em Londrina

Homem mata casal de lésbicas à facadas em Angra dos Reis

Em suas redes sociais, Iran comemorou e ressaltou a importância de fazer as pequenas doações mensais. “É muito mais seguro que tenhamos pessoas doando R$ 10 reais do que uma doando R$ 100 reais. Isso garante que mesmo uma pessoa deixando de contribuir, as contas não ficam tão em aberto”, explicou. “Muitos acham que tão pouquinho como R$ 10 reais não ajuda, mas ajuda sim!”, concluiu.

Atualmente com 20 residentes e 41 crianças, além de cerca de 100 pessoas com doações de roupas. 300 alunos passam pela ONG por mês nos cursos de línguas, costura, canto e ioga. Ainda há o processo psicoterápico, que atende em torno de 70 pacientes.