A transexual Samira Moreno, assassinada com dois golpes de faca na axila de Sorocaba
A transexual Samira Moreno, assassinada com dois golpes de faca na axila, em Sorocaba [Foto: Reprodução/Facebook]

A Polícia Civil de Sorocaba identificou o homem suspeito de ter assassinado uma mulher transexual no último dia 16. Samira Moreno foi atingida com golpes de facas nas axilas após uma discussão em um bar na zona norte da cidade paulista. As informações são do G1.

Segundo a delegada titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Luciane Bachir, ele confessou o crime. Como não houve flagrante, o assassino confesso foi liberado após dar o seu depoimento. Agora, a justiça que vai decidir se atenderá o pedido da policia de prendê-lo.

A investigação acredita que não houve LGBTfobia por divergências nos relatos colhidos pelas testemunhas e o autor do crime. A delegada contou que a vítima foi atingida por um canivete.


LEIA MAIS:

Coletivo de mulheres lança campanha de combate ao assédio no carnaval de Salvador

Paulo Iotti fala sobre a criminalização da homofobia no STF

Pessoas que presenciaram a cena, contaram que o homem estava saindo do bar quando encontrou uma moça e começou a conversar com ela. Foi então que Samira teria se exaltado e exigido que a mulher deixasse o local. Então, o homem questionou a atitude da mulher transexual quebrou uma garrafa no rosto dele, foi então que ele desferiu os golpes contra a vítima.

O corpo de Samira Moreno foi enterrado durante a tarde de sábado, no Cemitério da Consolação.