Pabllo Vittar participa do Morning Show, na rádio Jovem Pan
Pabllo Vittar participa do Morning Show, na rádio Jovem Pan (Foto: Reprodução/YouTube)

Pabllo Vittar comentou sobre a sua atual vida amorosa em entrevista ao programa “Morning Show”, na rádio Jovem Pan, nesta quarta-feira (06). A drag queen explicou que está solteira há quatro anos, e apesar de ficar com várias pessoas, não conseguiu engatar um relacionamento sério.

“Estou solteira há mais de quatro anos. Não consigo namorar, acho que tenho um certo bloqueio. Eu sofri uma traição que me levou a escrever open bar. Foi com um menino do meu colégio, ele me traiu com um menino que estudava comigo. O menino chegou: ‘Sou seu amigo, tenho que te contar. Fiquei com seu namorado’. Falei: você não é meu amigo não”, lembrou ela.

LEIA MAIS:


Gloria Groove comemora marca de 10 milhões de visualizações do clipe de “Coisa Boa”

Fãs defendem Daniela Mercury por suposta acusação de apropriação cultural

A cantora também comentou sobre a sua sexualidade, que sempre foi bem aceita pela família. “A minha condição sexual nunca foi um tabu na minha casa. Minha mãe sempre soube quem eu era, a pessoa que ia ser. Na minha casa eu não fui a pessoa que falou ‘sou gay’, minhas já falou ‘eu sei’. Se hoje eu sou uma pessoa forte, confiante, e que consegue fazer o trabalho que eu faço é por ter tido uma estrutura familiar muito forte”, afirmou.

Pabllo Vittar fala sobre LGBTfobia nas redes sociais

Alvo de LGBTfobia e de inúmeras fake news, Pabllo falou sobre como a sua imagem incomoda tanto. “O país não está preparado para artistas LGBTQ que deem a cara à tapa e que falem a verdade. Você pode ser gay, você pode cantar, desde que você seja heteronormativo e não fale as coisas que eu falo. Ninguém quer ouvir essas coisas, que a travesti morreu, que o gay foi assassinado”, declarou.

A intérprete de Seu Crime garantiu que não se deixa atingir pelo preconceito que enfrenta diariamente. “Esse ódio só me dá um imput para levar o meu trabalho cada vez mais longe, para lugares que precisem da minha mensagem. A gente tem que falar, isso [preconceito] está aí, e acontece todo dia. Enquanto receber mensagens do tipo: ‘fui expulsa de casa’ ou ‘apanhei no colégio’, eu vou falar disso, sim!”, pontuou.