A cantora Pabllo Vittar
A cantora Pabllo Vittar durante show (Foto: Leo Franco / AgNews)

Cumprindo a agenda de divulgação de seu novo clipe, Seu Crime, Pabllo Vittar está fazendo passagens por programas da mídia. Durante sua participação no Morning Show da Jovem Pan, a cantora comentou sobre a reação negativa que parte da população brasileira tem em relação a ela. As informações são do Popline.

O Brasil não está preparado para artistas LGBTQs que dão a cara à tapa e que falem a verdade. Você pode ser gay, você pode cantar, desde que seja heteronormativo e não fale as coisas que eu falo”, afirmou Pabllo. “Ninguém quer ouvir essas coisas. Ninguém quer ouvir que a travesti morreu, que o gay foi assassinado, ninguém quer saber disso”, enfatizou.

Leia mais:


Lia Clark anuncia primeiro show na Europa: “Carreira internacional é essencial”

David Miranda fala sobre Jean Wyllys, selfie com Beyoncé e ídolos LGBTs, no Põe na Roda

A artista se refere à heteronormatividade por ser o comportamento tido por uma pessoa que tenta se enquadrar, muitas vezes de forma compulsória, a um padrão heterossexual estabelecido socialmente. O conceito não se aplica apenas à orientação sexual, mas também à identidade de gênero. Isto é, de acordo com Pabllo Vittar, no Brasil, só é aceitável ser gay se você não der muita pinta.

“Esse ódio só me dá um input para levar meu trabalho cada vez mais longe, para lugares que precisam da minha mensagem”, afirmou ela. Em entrevista à rádio MIX do Rio de Janeiro, a drag queen revelou, inclusive, que está preparando um EP internacional. “Tenho várias parcerias internacionais para acontecer. Já tô com esse segundo álbum e tem um projeto a parte, que é um EP em outros idiomas, com parcerias com pessoas que já curto muito”, disse.