O republicano da Vírginia (EUA) Eric Porterfield
O republicano da Vírginia (EUA) Eric Porterfield (Foto: Divulgação)

O representante da Virgínia Ocidental, Eric Porterfield voltou a fazer declarações polêmicas. Após comparar a comunidade LGBT com o grupo Ku Klux Klan, ele afirmou que afogaria seu filho(a) caso fosse gay.

A declaração foi feita durante uma entrevista para a WVVA, uma afiliada da NBC.  “Bem, eu vestiria minha filha primeiro, como eu a levaria para uma pedicure. Eu a levaria para fazer suas unhas e ver se ela poderia nadar.”,  ironizou dando a entender que a deixaria se afogar.

“Se fosse meu filho, eu provavelmente o levaria para caçar, eu o levaria para pescar, depois veria se ele poderia nadar.”, continuou para o espanto da apresentadora que o entrevistava. As informações são do LGBTQ Nation.


LEIA MAIS:

Jussie Smollett teria recusado entregar celular para investigações de ataque, diz jornal

Pabllo Vittar, Daniela Mercury, Nanda Costa e outros famosos se manifestam a favor da criminalização da LGBTfobia

Na semana passada, Porterfield debatia uma lei que proibiria cidades e condados de proteger pessoas LGBT em suas leis anti-discriminação. Ele disse que as leis anti-discriminação eram “intolerantes” e “discriminatórias … sem sentido”.

O legislador da Virgínia Ocidental ainda usou a palavra “bicha” durante o debate enquanto discutia Milo Yiannopoulos. Os comentários fizeram a liderança de seu partido no Partido Republicano denunciar seus comentários , dizendo que eles eram “odiosos, ofensivos e não refletem os valores de nosso país”.