Bandeira LGBT
Bandeira LGBT (Foto: Reprodução/Internet)

Na Tunísia, um jovem tentou denunciar dois homens por estupro e acabou sendo condenado a seis meses de prisão. O crime do rapaz de 26 anos, de acordo com o artigo 230 do código penal, foi a homossexualidade. A prática de relações entre pessoas do mesmo gênero é proibida no país africano.

De acordo com o G1, o caso acontece em Sfax, segunda maior cidade da Tunísia. Associações de defesa dos direitos dos homossexuais informaram que Anas, o rapaz que alegou ter sido estuprado, tinha um encontro marcado com outro jovem com quem conversava por redes sociais. Ao chegar no local, encontrou dois homens que o agrediram fisicamente, o roubaram e estupraram.

LEIA MAIS:


Legislador da Virgínia Ocidental sugere que afogaria filhos caso fossem gays

STF começa a julgar criminalização da LGBTfobia nesta quarta (13)

Após a sequência de agressões, Anas foi até a polícia local para realizar a denúncia. Lá, foi submetido a um teste anal para avaliar se ele já havia tido relações homossexuais anteriormente. Na sequência, os dois agressores foram identificados. Eles alegaram que a relação foi consentida e, por isso, Anas foi condenado, ainda, por calúnia.

Por terem confessado a prática, os dois agressores também foram condenados a seis meses de prisão por sodomia. Eles foram punidos, ainda, a 15 dias de reclusão por violência e a 45 dias por roubo.

Nos últimos anos, as condenações por homossexualidade têm se multiplicado na Tunísia. De acordo com a associação Shams, em 2018, 127 pessoas foram presas por esse crime. Em 2017 foram 79 e, em 2016, 56.