David Miranda
David Miranda durante sua posse como deputado federal (Foto: Reprodução/Twitter)

Na terça-feira (5), o Põe na Roda publicou uma entrevista com o deputado federal David Miranda. O parlamentar participou do quadro 24 Perguntas do canal, e respondeu sobre diversos assuntos, desde sua vida pessoal à vida política.

Suplente do PSOL, David substitui Jean Wyllys depois que o ex-parlamentar desistiu de seu terceiro mandato consecutivo por conta de ameaças que vinha sofrendo. Perguntado se sente medo de também ser alvo de violência, David Miranda não se mostrou indeciso.

Medo e coragem

Tenho receio pela minha vida, pela vida da minha família. Nossa companheira Marielle foi assassinada há quase 11 meses e ainda não encontramos respostas […]. Estamos no Brasil, o país que mais mata LGBTs no mundo. Mas ao mesmo tempo, eu sei que não estou indo sozinho para Brasília. O amor que recebo nas redes sociais, na rua. Os abraços, as pessoas chorando junto comigo nesse período mostram uma força. A gente precisa estar representado nesses lugares. Então eu tenho medo, sim, mas eu vou pra Brasília com muita coragem“, afirmou.


Veja também:

Ministério Público da Bahia protocola pedido de indenização de Daniela Mercury contra pastor Isidório

O parlamentar disse, ainda, que não acredita que Jean Wyllys deva se isolar da política. “Acho que a primavera do Jean ainda não acabou. A gente ainda vai ouvir falar muito de Jean Wyllys pelo mundo, e com certeza aqui no Brasil. E de uma forma positiva“, especulou.

Selfie com a Beyoncé

Depois de alguns minutos falando sobre política, o clima da conversa mudou um pouco. David Miranda respondeu sobre como aconteceu a selfie que ele tem ao lado de Beyoncé e Jay-Z. “Melhor momento da vida, morri!“, começou ele. “Aquele dia foi mágico. Primeiro que a gente ganhou um Oscar. Eu tava num filme, Citizenfour, que ganhou um Oscar. Eu tava há quatro fileiras distante do palco, super chique. Vi a Lady Gaga cantando“, contou.

E depois eu fui pra uma festa, o after party da Vanity Fair. Aquilo ali foi um mundo! Todas as maiores celebridades no mesmo lugar. Meu objetivo já estava claro: eu queria saber onde a Beyoncé estava. Fiquei sabendo que ela estava sentada num canto lá no final, no fundo. E aí eu fui lá para perto e levei a estatueta. Óbvio que ela não ia falar com um mero mortal sem estatueta“, brincou. “Fiquei lá esperando eles terminarem a conversa. Estava o Jay-Z, a Beyoncé e a Jennifer Lopez. Fiquei balançando aquela coisa maravilhosa até que ela olhou pra mim. O Jay-Z perguntou como é que eu tinha ganhado aquilo. Falei que tinha ganho pelo filme e que a única coisa que eu queria muito era tirar uma foto com a esposa dele”, lembrou.

Leia mais:

Erick Witzel se engaja em projetos da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual do Rio

E continua: “Ele ficou brincando comigo. ‘Você quer sentar onde? Quer sentar no meu colo?’ Aí eu falei pra ela que adorava ela e tiramos aquela foto que foi impactante. Como vocês veem minha cara, eu não estava acreditando que eu estava tirando aquela foto. Estava atônito”, comentou. “Queridos, Beyoncé me serviu champanhe numa mesa. Então assim, a vida parou naquele dia pra mim. Foi o dia que eu zerei a vida. Saí de lá dando cambalhota”, completou.

Ídolos LGBTs

Além de Beyoncé, foi perguntado qual diva pop internacional David Miranda ouve. Ele respondeu prontamente: “Mariah Carey!“. Em relação a brasileiros, a lista foi mais extensa. “Rainha Daniela Mercury. Nossa, guerreia, põe a cara à tapa pra tudo. Pabllo Vittar. Aretuza. Maria Gadu, Ana Carolina, meu Deus do céu. Lulu Santos, quase eu esqueço”, listou o deputado.

Assista ao vídeo completo: