Nego do Borel
Nego do Borel com Agrepino Magalhães, em visita à Casa Florescer (Foto: Reprodução)

Não é segredo que Nego do Borel está passando por uma crise de imagem com repercussões fortes em sua carreira. Desde o episódio em que o cantor proferiu um comentário transfóbico contra Luisa Marilac, algumas coisas ruins aconteceram com ele. Recebeu vaias durante o show da Anitta, e cantoras desistiram de participar da gravação de seu DVD, que inclusive foi cancelada após a repercussão da polêmica.

Relação com Luisa Marilac

Recentemente, Luisa Marilac voltou a falar sobre processar Nego do Borel. De acordo com ela, o funkeiro e sua equipe não deram respostas sobre a proposta que ela teria dado. A youtuber sugeriu que o cantor carioca desse visibilidade à causa LGBT por meio de suas redes sociais.

Leia mais:


Ciúmes? Clebson Teixeira rebate comentário ousado em foto de Lulu Santos

Fã de Bolsonaro, maquiador gay perde contrato após polêmica com Bruna Marquezine

“Sabem por que não movi uma ação contra o Nego do Borel? Porque minha equipe entrou em contato com a equipe dele pra ver se a gente conseguia um processo de conscientização. Que ele falasse um pouco nas redes sociais dele sobre a causa transgênero, sobre o gay. Entendesse um pouco mais do assunto pra ajudar nesta causa devido aquele vacilo que ele deu”, disse Luisa.

Visita ao Centro de Acolhida

Antes que fosse tarde demais e o processo já estivesse rolando, Nego do Borel resolveu começar a toma atitudes sobre o assunto. Na tarde desta sexta-feira (1), o cantor visitou a Casa Florescer. O espaço abriga mulheres transexuais e travestis em situação de vulnerabilidade, na capital de São Paulo.

C.A.E Florescer
C.A.E Florescer (Foto: Reprodução)

Na ocasião, ele foi acompanhado de Agrepino Magalhães, ativista do movimento LGBTQI+. Em conversa com o Na Telinha, Agrepino falou sobre o arrependimento de Nego do Borel. “Ele errou, todo mundo sabe que errou e feio. Chamar uma pessoa que tem uma identidade de gênero no masculino, sendo que a uma pessoa tem uma identidade de gênero que é feminino, é horrível. Mas eu vejo que ele errou e pediu desculpas e a gente vê na cara dele que ele se arrependeu”, disse.

Veja também:

Ator de Empire sofre ataque homofóbico e racista: “Vai morrer, viado negro”

Suplente de Jean Wyllys e une a deputado distrital para traçar estratégia de combate a Fake News

O ativista entregou ao cantor um manual de comunicação do LGBTQI+, que explica, de forma didática, particularidades do movimento. “Eu acho louvável a atitude do Nego do Borel. Ele hoje pediu desculpas, visitou a casa Florescer, que é uma casa de acolhimento de mulheres travestis e mulheres transexuais em situação de rua em São Paulo. E assim entender mais, se aprofundar e ajuda ajudar. Pelo simples fato dele pedir desculpas, isso é já uma grande vitória pra nós do LGBTI +. Os próprios seguidores dele entendem também que não pode sair por aí não respeitando as pessoas nos seus devidos direitos de ser. É isso queremos das pessoas, simplesmente respeito”, afirmou Agrepino Magalhães.