No auge de seus 91 anos e mais de sete décadas dedicadas à atuação, Laura Cardoso mostrou ser mais que um dos maiores nomes da televisão brasileira: é também um exemplo de ser humano. Em entrevista dada à Revista Quem, a atriz comentou, entre diversos assuntos, sua percepção sobre homossexualidade.

“Se vejo dois homens juntos se amando, ou duas mulheres, acho normal. Cada um é um mundo e pode fazer desse mundo o que quiser. Ninguém tem o direito de te censurar. Eu, hein?!”, começou Laura.

Veja mais:


Luisa Marilac e Nego do Borel fazem as pazes em jantar

Xuxa posa de blusa transparente com os “mamilos livres”

A fala foi logo depois de a atriz falar sobre seu tempo como atriz durante o período da Ditadura Militar. Por isso, é perceptível que sua opinião pode ter influências dos aprendizados daquela época. “O importante é buscar sua felicidade e dormir com quem você quiser. É um pecado mortal censurar a vontade do outro, o sonho dele”, disse ela que, pouco antes, havia falado sobre liberdade. “Falta de liberdade é a pior coisa que tem. Quem fala que tem saudade [da Ditadura] não sabe o que está falando.”

Ainda sobre homossexualidade: “Desde o meu tempo de menina isso existia. Mas era mais em segredo. Hoje não é mais assim. Eu acho lindo ver dois homens de mãos dadas na rua. Por que estragar isso? Sempre fui assim, sem preconceito algum”, completou.

Laura Cardoso viveu a cafetina Caetana em O Outro Lado do Paraíso (2017-2018). Em Dias Felizes, próxima novela das 21h da TV Globo, a atriz encarna uma moradora de rua no folhetim também assinado por Walcyr Carrasco. A estreia é prevista para o fim de março.