Advogados LGBTs fazem história ao defenderem criminalização da LGBTfobia no STF

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Independente do resultado do julgamento feito pelo Supremo Tribunal Federal (STF), esta quarta-feira (13) foi um dia histórico na luta por direitos LGBTs no Brasil. Três advogados gays, uma advogada lésbica e outra transexual defenderam as ações a favor da criminalização da LGBTfobia na tribuna do Supremo.

A criminalização de todas as formas de ofensas, individuais e coletivas, homicídios, agressões e discriminações motivadas pela orientação sexual e/ou identidade de gênero é pedida em duas ações. Uma do Partido Popular Socialista (PPS) e outra da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Transgêneros (ABGLT).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

LEIA MAIS:

STF começa a julgar criminalização da LGBTfobia nesta quarta (13)

Depois da leitura dos relatórios pelos ministros Celso de Mello e Edson Fachin, advogados de defesa apresentaram seus argumentos. Primeiramente, foi a vez de Paulo Iotti, gay e autor das ações do PPS. Ele citou casos de violência contra a população LGBTQI+. Além disso, defendeu que cabe ao Supremo garantir proteção aos direitos dessa população.

A Constituição exige a criminalização do racismo, da violência doméstica, para quê? Para proteger os grupos raciais minoritários, a mulher. Então, entendendo-se que a Constituição exige a criminalização da homotransfobia, ela o faz para proteger a população LGBTI em seus direitos fundamentais”, afirmou Paulo Iotti.

Logo depois, foi a vez de Tiago Gomes Viana. Representando o Grupo Gay da Bahia, ele comentou sobre um “discurso demagógico” e afirmou que, até então, a população LGBTQI+ tem obtido avanços de direitos apenas por meio do Executivo e Judiciário.

SAIBA TAMBÉM:

Maísa apoia criminalização da LGBTfobia: “Ninguém merece viver com medo de amar

Até torcedor tem uma legislação para chamar de sua, o que é louvável, mas para pessoas LGBTQI+, não há uma legislação especifica nesse Congresso Nacional”, enfatizou.

Mais tarde, a lésbica Ananda Rodrigues, do Grupo Dignidade – Pela Cidadania de Gays, Lésbicas e Transgêneros, deu sua sustentação. Ananda deu ênfase aos objetivos das ações ao dizer que a intenção não é atentar contra a liberdade religiosa de ninguém.

Por fim, foi a vez da advogada Maria Eduarda Aguiar, da Associação Nacional de Travestis e Transsexuais (Antra). Maria Eduarda é a primeira trans com carteirinha da OAB-RJ com nome social. “É inadmissível pessoas subirem aqui para tripudiar da dor de pessoas LGBTQI+. É lamentável”, disse ela. As informações são do site Gay1.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio