Di Anna
A transexual Di Anna (Foto: Reprodução)

Aos 36 anos, Di Anna conseguiu uma vitória que muitos transexuais anseiam. Moradora de Bonito (MS), ela entrou com uma petição, em 2018, junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TRE), para que pudesse substituir o nome de nascimento pelo nome social em seu título de eleitor. Na última semana, o processo chegou ao fim e ela alcançou o que tanto quis.

De acordo com o G1, Di Anna é formada em Análises de Sistemas e Filosofia, e escolheu esse nome porque “representa a força e a pureza do ideal feminino”. O título de eleitor foi o primeiro documento oficial no qual a transexual decidiu utilizar o nome social, e isso se deve a constrangimentos passados.

Leia também:

“A melhor atitude é reforçar os laços que nos unem”, avalia Laerte sobre novo governo do Brasil


“Em uma ocasião, trabalhei como técnica de urna. A pessoa que estava na zona eleitoral, mesmo sabendo meu nome social, fez questão de me chamar pelo nome de nascimento. Foi de propósito, para me constranger. Agora acabou o constrangimento”, afirmou ela.

Moradora de um interior do Mato Grosso do Sul, Di Anna vê em si mesma um meio de levar informação às pessoas que se sentem acoadas por não serem chamadas pelo nome social. “Em nome de muitas transexuais que vivem reprimidas, digo que isso significa muito para todas nós. Sobretudo para a representatividade”, relata.

Veja mais:

Procuradoria cobra Ministério da Saúde sobre retirada de cartilha para homens trans

Ainda em conversa com o G1, Di Anna contou que, ao final do processo, foram impressos dois títulos. O que constava o nome de nascimento ficou retido. O que consta o nome social ela passará a utilizar a partir de agora. “Tenho a certeza de que vou poder exercer minha cidadania nas próximas eleições, com muito mais conforto e sem constrangimentos”.