O terapeuta David Matheson
O terapeuta David Matheson (Foto: Reprodução/Facebook)

Um terapeuta mórmon de Utah, nos Estados Unidos, começou esta semana revelando ser gay. O assunto não seria curioso se não fosse pelas declarações profissionais de David Matheson, que prometia curar LGBTs por meio de “terapias de reconversão sexual”. As informações foram divulgadas no jornal Independent.

David Matheson fez a revelação por meio de um desabafo em seu Facebook, ao mesmo tempo que ofereceu um pedido de desculpas por seu posicionamento anterior. Disse também que, apesar de tudo, não irá renunciar sua profissão.

“Um ano atrás eu percebi que precisava fazer mudanças substanciais em minha vida. Percebi que não poderia continuar em meu casamento. E percebi que era a hora de afirmar a mim mesmo que sou gay”, começou Matheson.


Leia mais:

Ex-goleiro de liga internacional de futebol sai do armário com foto ao lado do namorado

“Eu desfrutei de um casamento feliz e gratificante com minha esposa por muitos anos. No geral, foi um relacionamento bonito e ser “hetero” tornou-se parte essencial da minha identidade. Mas também experimentei atrações para os homens. Na maioria das vezes, eles estavam em segundo plano. Mas às vezes eles eram muito intensas e levavam a dor e a luta no meu casamento”, continuou.

“Também percebi que estar numa relação intima com um homem já não era algo que queria evitar. Tornou-se uma necessidade não negociável”, admitiu. “Mesmo hoje, como um homem gay recém-saído do armário, ainda encontro muita homofobia em mim mesmo. Mas eu sou uma pessoa muito mais receptiva agora do que há seis anos, antes de começar a dialogar em um grupo de ideologia mista que incluía vários terapeutas afirmadores de gays. Passamos literalmente centenas de horas aprendendo uns sobre os outros e resolvendo problemas juntos. Eu os amo”, declarou.

Saiba também:

Itaú Unibanco integra índice global de empresas que promovem a igualdade de gênero

Para finalizar, o terapeuta envia uma mensagem de coragem para aqueles que ainda não se aceitam. “Se a minha saída pudesse mudar uma coisa, seria encorajar as pessoas a se sentirem confiantes sobre seu caminho de vida. A buscarem isso sem medo ou vergonha – independentemente do que os outros possam pensar.