Kéfera
A atriz e youtuber Kéfera Buchmann (Foto: Reprodução/Instagram)

Com início no YouTube, a carreira de Kéfera Buchmann tem cada vez alçado voos mais altos. Ela está no ar como Mariane, a patricinha divertida da novela das 18h da Globo, Espelho da Vida. Além disso, vive Camila, protagonista do filme Eu Sou Mais Eu, estreado nas telonas na quinta-feira (24). Entretanto, o posicionamento político da atriz é uma das coisas que mais lhe rendem ofensas e críticas.

Durante a campanha eleitoral de 2018, Kéfera se posicionou ativamente contra o agora presidente Jair Bolsonaro. Atualmente, ela acha que errou nas previsões. “Está pior do que eu imaginava”, afirmou em entrevista ao Universa. Ter posicionamentos críticos e enfáticos rende à atriz não só ofensas, mas também ameaças graves.

Leia mais:


Lady Gaga está entre os apresentadores do SAG Awards 2019

Kéfera está, inclusive, com processo em andamento contra um dos autores das ameaças. “Ele estava organizando um estupro coletivo contra mim. Estamos tomando as providências na Justiça”, afirmou. “A gente vive essa cultura do estupro que preza pela ‘correção’ por meio da violência sexual. Recebi muitas ameaças de estupro, não só essa. Diziam que se me achassem na rua, me agrediriam. Claro que senti medo, mas nós, mulheres, sentimos medo todos os dias. Não tem jeito”, completou.

Relação com a mãe

Em 2018, surgiram notícias de que Kéfera e sua mãe, Zeiva Buchmann, haviam rompido relações por conta de opiniões políticas. Mas ela nega que seja verdade. “A gente nem brigou, quanto mais cortar relações. Ganharam a eleição com fake news, nem me assusta que essa notícia falsa tenha sido publicada. Minha mãe apoiou o Bolsonaro e nós debatemos muito. Eu expus meus pontos, ela concordava com alguns e expunha os dela. Mas foi a escolha que ela fez”, disse.

Veja também:

VH1 divulga a lista das participantes da nova temporada de RuPaul’s Drag Race; Confira

E continuou: “No começo do ano, ela disse: ‘Acho que vou me arrepender mesmo, você estava certa. Se isso acontecer, vou ser a primeira a me opor e ser resistência, porque estou vendo que vai dar cagada’. E eu só respondi: ‘Eu avisei'”.

De acordo com ela, a luta a favor de direitos não pode ser exclusiva das redes sociais. “Todo dia aparece um novo suposto envolvimento do filho do Bolsonaro com coisas erradas. A gente avisou. ‘Ninguém solta a mão de ninguém’ não pode se restringir às redes sociais”, afirmou.