O ator Jake Gyllenhaal

A Netflix estreia, na sexta-feira (1), seu mais novo filme de suspense, Velvet Buzzsaw. O longa é protagonizado por Jake Gyllenhaal, que vive pela segunda vez em sua carreira um personagem LGBT. De acordo com o Observatório do Cinema, o filme é ambientado no mundo da arte moderna.

O personagem de Jake Gyllenhaal é descrito como um crítico de arte, que se diverte destruindo a carreira de jovens artistas. Ao mesmo tempo, quando está livre, o protagonista vive romances com seus amantes, que variam entre homens e mulheres.

Leia mais:

Casados, apresentadores da Globo e SBT garantem não ter concorrência dentro de casa


“Eu acho que temos que ser cuidadosos ao representar isso em uma sátira. Para mim, o interessante de criar esse personagem foi a ideia de ter um homem gay se relacionando com mulheres e o motivo que ele faz isso. Ele diz algo bem específico: ‘Nós temos uma relação gostosa’. É uma relação que não é baseada nas intimidades que geralmente você espera; é baseada no fato que os dois gostam do mesmo tipo de trabalho. E há uma espécie de particularidade em cada um dos personagens”, comentou Gyllenhaal.

Zawe Ashton, atriz que compartilha várias cenas quentes com o ator, elogia a forma que a bissexualidade é colocada em Velvet Buzzsaw.

“Eu sinto isso porque não é baseado em problema. Pessoas de tantos gêneros talvez estejam cansadas de verem as suas preferências sexuais sendo usadas como ganchos em filmes. Às vezes, alguém é apenas interessado e identificado com um tipo de pessoa e o desconhecido pode se revelar sem esses grandes rótulos”, afirmou a atriz.

Veja também:

Ator de Empire sofre ataque homofóbico e racista: “Vai morrer, viado negro”

Escritor e diretor do filme, Dan Gilroy comentou sobre o que pensou enquanto construiu o personagem. “Eu escrevi o personagem porque eu acredito que a sexualidade é muito mais fluída que a sociedade imagina. Quando estávamos tentando definir o personagem, vi uma entrevista em que Quincy Jones fala de um affair entre Marlon Brando e Richard Pryor. Obrigado, Deus! Que imagem linda. Então começamos a imaginar o personagem dele como esse homem que é um sensualista, como alguém que toca em todos esses sentidos”, disse o cineasta.