A drag queen Uýra Sodoma
A drag queen Uýra Sodoma, no Teatro Amazonas (Foto: Reprodução/Instagram)

Uýra Sodoma nasceu dos desejos de Emerson Munduruku, um amazonense, descendente de indígenas e biólogo, de dar vida à sua arte. A drag queen ensina sobre o meio ambiente, especialmente por meio de viagens que faz à comunidades fluviais.

O trabalho de Munduruku foi reconhecido, em 2017, com o vencimento da edição manauara do concurso de drag queens Rival Rebolado. De acordo com o Hypeness, Uýra demora cerca de duas horas para ficar pronta. A maquiagem utilizada tem sempre elementos provenientes da natureza. Sua transformação pode contar com ramagens, sementes, conchas, folhas e flores.

Veja mais:


Netflix descarta gravação na Carolina do Norte, nos EUA, por conta de lei anti-LGBT

Presidente das Filipinas ataca padres e bispos da Igreja Católica: “Maioria é gay”

Sendo assim, o visual de Uýra Sodoma está em constante adaptação e mudança, bem como a natureza. Segundo entrevista dada ao G1, a personagem surgiu em 2016. Tudo partiu do desejo de manifestação artística para contribuir com o debate em volta do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

A partir daí, Emerson deu vida ao que ele define como Árvore que Anda. Na capital amazonense, a drag anda montada no transporte público e faz de tudo para levar o debate ambiental, ao mesmo tempo que se afirma como LGBT, para a população. Para quem é de longe, o trabalho pode ser acompanhado pelo Instagram:

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

 

Visualizar esta foto no Instagram.

 

a Mata SE COME • TE COME