Bandeira LGBT
Bandeira LGBT (Foto: Reprodução/Internet)

Na quarta-feira (23), a Prefeitura de Fortaleza, no Ceará, empossou os titulares e suplentes dos Conselhos Municipais de Políticas de Promoção da Igualdade Racial de Fortaleza (CMPPIR) e de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CMPD LGBT).

De acordo com O Povo, as novas equipes estarão vigentes no biênio 2019-2020, e são ligadas à Secretaria Municipal dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SDHDS). Ambos conselhos têm como objetivo atuar como espaços de análise e tomada de decisão acerca das demandas específicas das populações que representam. As ações são implementadas de acordo com a aprovação e contribuição dos participantes.

Leia mais:


Suplente de Jean Wyllys na Câmara, David Miranda é “negro, favelado e LGBT”

O  presidente do CMPD LGBT comentou, em suma, a importância do Conselho. “A gente decide várias coisas e acho que quanto mais melhor. Isso só vem a somar para um crescimento do movimento e das pautas LGBT na Cidade”, disse Paulo Diógenes. Ele entra na segunda gestão com 12 conselheiros.

Continuidade

No que se refere ao Conselho ligado aos direitos de LGBTs, o trabalho deve se dar  pela continuidade do que já estava sendo feito enquanto a gestão anterior estava vigente. “Vamos continuar na luta por direitos, no enfrentamento da LGBTfobia, que é cotidiana em Fortaleza, e no Ceará como um todo. A proposta é que a gente consiga manter esse conselho atuante”.

Veja também:

Escola de samba terá transexual como rainha de bateria pela 1ª vez, em Corumbá (RS)

Além disso, “pensar outras estratégias no enfrentamento de violências e violações de direitos que acometem a população LGBT”, afirmou Dário Bezerra. Ele é coordenador de política de projetos do Grupo de Resistência Asa Branca (GRAB). Na gestão anterior, participou da vice-presidência e permanecerá na composição.