A vereadora Marielle Franco e a arquiteta Monica Tereza Benício
A vereadora Marielle Franco e a arquiteta Monica Tereza Benício (Foto: Reprodução/TV Globo)

Nesta quarta-feira (26), completam 287 dias da morte de Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes. São nove meses de um dos crimes que mais chocou o país, especialmente pelo contexto em que se deu.

Marielle era feminista, LGBT, negra, vereadora do PSOL e defensora dos direitos humanos. Sua trajetória e luta levam a crer que a causa de sua morte foi política.

A vereadora e militante mantinha um relacionamento há 14 anos com Mônica Benício, que ficou viúva aos 32 anos. Depois do assassinato, Mônica chegou a dar entrevista falando sobre a história de amor do casal. No entanto, o mais marcante é a dor restante, que impulsiona a busca por respostas.


Leia mais:

Homem que xingou casal gay prefere cumprir pena a pedir desculpas às vítimas

Cabeleireiro homossexual é esfaqueado e morto em São Paulo

Nesta quarta-feira (26), a viúva postou em seu Twitter um lamento pelo primeiro Natal sem Marielle. “Primeiro Natal sem Marielle, já se vão 287 [dias] sem meu grande amor. Quem matou, quem mandou matar e pq demoram tanto a elucidar o crime?” escreveu ela, que em nenhum momento deixa de exigir justiça pelo caso.