Casamento LGBT coletivo
Casamento LGBT coletivo (Imagem: Reprodução/Facebook)

Após o segundo turno da eleição presidencial de 2018, a presidente da Comissão de Diversidade da OAB publicou uma nota de recomendação à comunidade LGBT. No texto, a desembargadora Maria Berenice Dias sugere que casais homoafetivos que gostariam de assegurar seus direitos no civil, se casem ainda este ano. Foi quando surgiu o casamento LGBT coletivo.

A perda de direitos de pessoas LGBT se encaixou no termo ‘efeito Bolsonaro’. Segundo apuração d’A Capa, alguns grupos acataram a recomendação. É o caso da carioca Rossana Pinheiro, que criou a página Casamento LGBT no Facebook. A princípio, a iniciativa tem o intuito de reunir casais que desejam casar, com profissionais que se propõem a oferecer seu serviço de graça, ou até mesmo por um preço mais acessível.

Leia mais:


Autor anuncia estar escrevendo continuação de “Me Chame Pelo seu Nome”

Reality show RuPaul’s Drag Race vai ganhar versão britânica

Casamento LGBT coletivo

A página cresceu e chegou também a outros estados. Em São Paulo, inspirou o produtor de eventos Caique Paz, que uniu muitas pessoas dispostas a ajudar. O jovem conseguiu um espaço para realizar um casamento LGBT coletivo que acontece dia 16 de dezembro.

“A Rossana me convidou pra ajudar a cuidar da página e aqui conseguimos ajudar muita gente que já se casou e que ainda vai se casar em todos lugares que possa imaginar”, ele comentou. “Alguns casais não tinham condições financeiras e vieram atrás de mim pra eu ajudar a organizar o casamento, comecei a ir atrás de espaços pra disponibilizar já que já tínhamos quase tudo de ajuda”.

Apesar de ter o espaço garantido, eles ainda precisam de ajuda na arrecadação de dinheiro para a organização.

Veja como colaborar:

Vaquinha: http://vaka.me/w3aj8w

Quero casar: http://bit.ly/2KwXm1L

Quero ajudar: http://bit.ly/2P1h2eE