plinio
Plinio Henrique de Almeida Lima foi assassinado em São Paulo (Foto: Reprodução/Arquivo pessoal)

Na terça-feira (25), a Polícia Civil prendeu um suspeito de matar Plínio Henrique de Almeida Lima. Plínio foi esfaqueado na Av. Paulista, em São Paulo, na noite de sexta-feira (21), enquanto andava de mãos dadas com o marido e mais um casal de amigos gays.

De acordo com o UOL, a vítima chegou a ser levada ao Hospital das Clínicas, no entanto, não resistiu ao ferimento da facada que recebeu no peito. Até então, a Polícia não sabia quem era o assassino e a investigação estava sendo feita com ajuda dos vídeos das câmeras de segurança.

Leia também:


Kevin Spacey é acusado de assédio sexual novamente, dessa vez pela Justiça de Massachusetts

Viúva, Mônica Benício lamenta o primeiro Natal sem Marielle Franco

Após investigações, o autor do crime foi localizado. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo, Fúvio Rodrigues de Matos tem 32 anos e confessou ter assassinado Plínio. Apesar de testemunhas terem afirmado que, antes da agressão, Fúvio os agrediu verbalmente com ofensas homofóbicas, o caso foi registrado como homicídio qualificado por motivo fútil.

Fúvio Rodrigues de Matos
Fúvio Rodrigues de Matos confessou ter assassinado Plínio e disse estar “muito arrependido” (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Repercussão

É mais uma das situações tristes acerca da LGBTfobia. Apesar de muitos morrerem por isso, a causa não é tipificada como crime pelo código penal no Brasil, muito menos há políticas públicas em combate a esse ódio. Veja algumas reações ao caso de Plinio:

Depois de adiamento, o Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar ação que visa a criminalização da homofobia em fevereiro de 2019.