transexual
Mayang Prasetyo e Marcus Peter Volke eram casados desde agosto de 2013. (Foto: Reprodução/ Courier-Mail)

Um chef de cozinha foi acusado de cometer um dos crimes que mais chocou seu país natal, a Austrália. Marcus Peter Volke supostamente matou sua esposa transexual, esquartejou o corpo e cozinhou os pedaços. Logo depois, o australiano cometeu suicídio.

De acordo com o Gay1, o caso foi divulgado pelos jornais locais. A polícia se recusou a informar detalhes do caso, divulgou apenas que foi dado início a uma investigação de homicídio e suicídio.

A vítima se chamava Mayang Prasetyo e era casada com Marcus Volke desde 2013. O crime aconteceu um ano depois, no mês de outubro. Vizinhos do casal sentiram o odor vindo de seu apartamento e chamaram a polícia. Ao chegarem, os policiais encontraram partes do corpo de Mayang dentro de uma panela.


Leia também:

Homem que confessou ter matado homossexual na Av. Paulista nega homofobia

Transexual precisou amputar um abraço após ser agredida em bar de São Paulo

O cozinheiro havia, nitidamente, cometido suicídio. Pessoas próximas a Volke informaram que o rapaz de 28 anos era quieto, tímido, e dava indícios de ser ciumento. Em relação à vítima, amigos a descreveram como uma pessoa alegre.

A família disse não saber de indícios de que o relacionamento não estava bem.