Bandeira da Escócia
Bandeira da Escócia (Foto: Reprodução/Internet)

A Escócia deve ser o primeiro país do Reino Unido a disponibilizar a opção “terceiro gênero” nos documentos oficiais. A medida foi decidida após o governo ter feito uma consulta com 15000 entrevistados sobre a questão. O resultado revelou 56% dos cidadãos a favor da proposta.

A maioria da população, então, apoiou a ideia das pessoas se reconhecerem como não-Rebinários, gênero fluido, entre outros. “Vamos considerar a análise e opinião dos consultados para avançar nossas leis e reconhecimentos de todos os cidadãos.”, afirmou um porta-voz do governo ao jornal Scotsman.

LEIA MAIS:


Adobe lança 2ª edição de projeto que celebra a diversidade feminina

Temendo “efeito Bolsonaro”, grupos se unem para realizar casamento LGBT

Apesar de a maior parte da população apoar a medida, outros promoveram protestos contrários. A possibilidade promoveu um debate que dividiu muitas opiniões entre a parcela mais progressiva da população.  

Ainda é esperado que a diminuição da idade mínima e o início da transição de gênero, de 18 anos para 16, seja aprovado. Recentemente, o país fez história ao ser o primeiro a incluir o ensino de direitos LGBTQ+ nas escolas.