Direitos de LGBTs são inclusos na grade curricular de escolas públicas, na Escócia

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na contramão das políticas propostas pelo governo do presidente eleito no Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), a Escócia é comprometida com a valorização da diversidade. O país será pioneiro no ensino de direitos de LGBTs nas escolas. A conquista foi elogiada, inclusive, pelos impulsionadores da campanha Time for Inclusive Education (É Hora de uma Educação Inclusiva). De acordo com eles, a iniciativa faz parte de “um momento histórico”.

Segundo informações da Abril, o vice-primeiro-ministro da Escócia, John Swinney, afirmou que a medida chegará a todas as escolas públicas do país. Swinney, que também é responsável pela área da educação, informou que as escolas receberão os recursos necessários para adotar as medidas da iniciativa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

As temáticas a serem tratadas em salas de aula incluem a terminologia, identidades e história do movimento LGBT+. Além disso, serão abordados os preconceitos em torno da sigla, como homofobia, bifobia e transfobia. O objetivo é a garantida da promoção da educação em igualdade.

Leia mais:

“Impossível ter diálogo” declara organização lésbica, sobre encontro de LGBTs com Damares Alves

Hannah Mouncey poderá ser a primeira transexual a disputar o Mundial de Handebol

Jordan Daly, cofundador da campanha, comemora a conquista. “A implementação da educação inclusiva LGBT em todas as escolas públicas é uma novidade no mundo. Em um momento de incerteza global, isso envia uma mensagem forte e clara aos jovens LGBT daqui da Escócia”, afirmou Daly.

O vice-primeiro-ministro disse, ainda, que a Escócia é um dos países “mais progressistas da Europa, em termos de igualdade LGBT”. “Nosso sistema educacional deve apoiar todos os estudantes para que alcancem seu máximo potencial. Por isso, é vital que o currículo seja tão diversificado como os jovens que aprendem em nossas escolas”, declarou Swinney.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio