Relatório revela ensino LGBTFóbico em livros na Arábia Saudita

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um relatório realizado pela Liga Antidifamação (ADL), dos Estados Unidos, apontou faces de um ensino intolerante nas escolas da Arábia Saudita. Livros do país foram analisados e entre os seus posicionamentos a obra condena a prática do sexo oral, a qual afirma ser passível de morte e responsável por desastres naturais.

A organização procurou na literatura e chegou a receber dezenas de comentários nas redes sociais. As mensagens pregam o ódio e incitamento à violência a judeus, cristãos, mulheres e gays. 

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao que diz respeito aos gays, o livro classifica o sexo anal como culpado por corromper a alma humana e a pena para quem pratica o ato é a morte. Os livros didáticos Sauditos também afirmam que o sexo anal traz vergonha à família do indivíduo e a toda tribo.

LEIA MAIS:

Roberta Miranda dá selinho em Tatá Werneck e lembra namoro com travesti: “Quem come de tudo, não morre de fome”

Lia Clark lança primeiro clipe do novo álbum “É da Pista”; Assista “Tu Aguenta”

“A [decisão] correta [a respeito da sodomia] que os companheiros do Profeta concordaram é que tanto o ativo como o passivo são mortos. Independente de serem casados ou solteiros.”, diz um trecho do livro intitulado “Jurisprudência”.

A Arábia Saudita promete há cerca de dez anos aos Estados Unidos, um dos seus maiores aliados, a eliminação de passagens contra a população LGBTQ nos livros escolares. A homossexualidade é considerada crime no país com penas que podem chegar até a morte

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio