Colégio Etec Antonio Prado, em Campinas (SP)
Colégio Etec Antonio Prado, em Campinas (SP) (Foto: Divulgação)

Um professor de química foi agredido por um estudante transexual supostamente após ser tratado no feminino na Escola Técnica (Etec) Conselheiro Antonio Prado, em Campinas (SP). O caso aconteceu na quarta-feira (14). A confusão começou após o jovem pular o muro por chegar atrasado para as aulas.

Testemunhas afirmam que o aluno reagiu após se sentir ofendido ao ser tratado pelo educador no feminino. Em entrevista à EPTV, o jovem conta que foi chamado de “nervosinha”. “Sou um homem trans, ele [professor] sabe desde sempre que o pronome é masculino e foi estopim para o surto. Agredi ele, acabei dando um soco no ombro”, contou.

O rapaz afirmou que se atrasou cinco minutos e que ao se sentir desrespeitado perdeu o controle. “Não concordo com a violência, mas por conta do surto não foi algo que controlei na hora”, explicou.

Investigação


Um Boletim de Ocorrência foi registrado como ato infracional de lesão corporal e injúria no 5º Distrito Policial. A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP) ainda informa que o caso será investigado pela Vara da Infância e Juventude.

LEIA MAIS:

Polícia prende suspeito de agredir jovens por homofobia em escola do Rio

Travesti é morta com três tiros na cabeça em Vitória da Conquista (BA)

Escola se posiciona

Por meio de assessoria, o Centro Paula Souza afirmou que o docente está no quadro de professores da instituição há 30 anos e nunca se envolveu em episódios como este. No texto, a escola ressalta ainda que o jovem agrediu verbalmente outra funcionária.

Ainda no comunicado, a unidade alega que tem como princípio respeitar a identidade de gênero dos seus alunos. Além disso, capacita os seus colaboradores e promove atividades sobre questões de gênero.

“A situação do estudante está sendo tratada diretamente com os responsáveis”, complementa.