O ator norte-americano Rami Malek caracterizado como Freddie Mercury (FOTO: Entertainment Weekly)
Bohemian Rhapsody† O ator norte-americano Rami Malek caracterizado como Freddie Mercury (FOTO: Entertainment Weekly)

As polêmicas cenas que retratam a sexualidade do cantor Freddie Mercury, líder da banda Queen e também um dos maiores ícones gays da história da música, no filme “Bohemian Rhapsody”, lançado na última semana, foram alvo de muitos protestos nas salas de cinema que a exibiram.

Relatos nas redes sociais contam que muitos espectadores vaiaram em todos os momentos que o vocalista interpretado por Rami Malek faz alguma menção referente à sexualidade do astro do rock.

“que doideira ler que teve gente em sessão de Bohemian Rhapsody vaiando quando tinha cena de flerte/beijo LGBT os caras foram pro cinema assistir um filme sobre o FREDDIE MERCURY esperando O QUE exatamente”, questionou um tuiteiro.


LEIA MAIS:

Prova do Enem traz questão sobre gírias gays

Linn da Quebrada sofre ameaça de morte por eleitores de Bolsonaro: “Ninguém intervém por nós”

Em uma das mensagens, uma internauta conta que supostos eleitores do presidente eleito Jair Bolsonaro fizeram ameaças em nome do político. “Na sessão que a minha mãe foi gritaram “bolsonaro vai pegar vcs” na cena do beijo. O pior de tudo é que todo mundo riu”, relatou.

O longa aborda a relação do vocalista com os seus colegas de banda, Brian May (Gwilym Lee), John Deacon (Joseph Mazzello) e Roger Taylor ( Ben Hardy ). A direção ficou por conta de Dexter Fletcher. Já o roteiro é assinado por Anthony McCarten.