Vocalista do Imagine Dragons, Dan Reynolds hastea bandeira do arco-íris em show no Lollapalooza
Vocalista do Imagine Dragons, Dan Reynolds com bandeira do arco-íris em show no Lollapalooza (Foto: Reprodução/Instagram)

O cantor Dan Reynolds revelou sofrer ataques pelo seu apoio à comunidade LGBT. Em entrevista a revista Vulture, o vocalista da Imagine Dragons revelou que recebe mensagens de pais afirmando não deixar seus filhos assistirem seus shows.

“As pessoas me dizem que não vão permitir que seus filhos vão mais aos meus shows e quando eu chegar no céu, Deus vai ficar chateado comigo porque tornei ‘tantas crianças gays’”, contou ele.

Reynolds ainda continuou alegando que recebe críticas dos membros do movimento esquerdista pelo seu apoio. “Também haverá pessoas da extrema esquerda que estão chateadas. Porque, quem diabos sou eu, o cara branco privilegiado? E eu entendo, mas para mim, tenho que falar minha verdade e o que acredito é que, quando se trata de questões como essa, todo mundo tem que fazer a sua parte”, explicou.


LEIA MAIS: Ciclo de debates para a comunidade LGBT acontece no fim deste mês

Saúde mental e suicídio LGBT

As altas taxas de problemas com a saúde mental e suicídio entre os LGBTs, também foram levantadas pelo músico. “Eu tenho visto tantos danos causados a essas famílias. Eu conheci muitos pais que perderam filhos para o suicídio. Eu tenho muito o que falar sobre isso. Eu quero mudar isso e sei que posso ajudar e fazer essa mudança acontecer”, destacou.

Um recente estudo da Universidade do Arizona revelou que 51% dos adolescentes trans masculinos tentaram suicídio no ano passado. Entre os trans femininos o número foi de 30%. Já aqueles que se definem como não-binários 42% afirmaram já ter atentado pela própria vida.

LEIA MAIS: Suposto vídeo de MC Brisola vaza nas redes sociais e internautas vibram

Causa LGBT

Além do seu posicionamento na mídia e nas apresentações da banda, Dan Reynolds é um dos organizadores Love Loud Festival. O evento busca arrecadar fundos para o Projeto Trevor, a Fundação Tegan and Sara e a Encircle.

A terceira edição que está programada para acontecer em 2019 já está sendo planejado e estabelece uma clara conexão com o Origins, a maioria das músicas foram escritas no ano passado.