Super Drags
Super Drags (Divulgação/Netflix)

A frente parlamentar da bancada evangélica do Congresso Nacional emitiu uma nota de repúdio contra a série “Super Drags” e pediu para que a Netflix aumente a classificação indicativa de 16 para 18 anos.

O motivo para a mudança seria, segundo eles, os diálogos dos personagens que relatam assuntos de cunho moral de forma “obscena” e “não educativa”. A classificação para maiores de 18 anos é destinada para àquelas produções que abordem cenas fortes de violência e sexo explícito, além da pornografia em geral.

LEIA MAIS:


Rádio veicula inserções contra homofobia após locutor pregar morte de gays

Além de pajubá, prova do Enem traz questão sobre vivência da mulher lésbica

O presidente da frente parlamentar é o deputado Alan Rick (PRB-AC), que também é pastor, e já havia emitido uma nota de repúdio contra o desenho animado, e classificou como “tentativas sórdidas de influenciar sexualmente as nossas crianças”.

Com estreia prevista para a próxima sexta-feira (09), o desenho animado conta a trama de três jovens amigos Patrick, Donny e Ramon, funcionários de uma loja de departamento durante o dia, mas à noite se transformam em super drag queens batizadas, respectivamente, de Lemon Chiffon, Safira Cian e Scarlet Carmesim. Juntas, elas têm a missão de tornar o mundo mais colorido.