O senador Roberto Rocha
O senador Roberto Rocha (Divulgação/Agência Senado)

A maioria dos ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que a mulher do deputado Weverton Rocha (PDT-MA) pode entrar com processo contra o senador Roberto Rocha (PSDB-MA) após o mesmo insinuar que seu marido é gay.

Em dezembro de 2017, Roberto, por meio de sua conta no Twitter, atacou o deputado e o presidente do PDT, Carlos Lupi, dando a entender que os dois formam um casal homossexual.

“Não entendo o motivo dos constantes ataques que me fazem os pedetistas, Lupi e Weverton. Logo eu que sempre torci pela felicidade do casal”, afirmou.


Leia mais:

Pernambuco elege sua primeira deputada trans da história

Fernando Haddad quer criminalizar a homofobia e promete bolsas de estudos para transgêneros

Diante das acusações, a esposa de Weverton, Samya Lorena Rocha, apresentou queixa-crime ao STF alegando que a postagem do senador não apenas teve a intenção de atingir a honra do deputado, como a de sua família e filhos.

O caso foi negado em um primeiro momento pelo ministro relator Luiz Fux, mas passou para julgamento especial porque o ministro Alexandre de Moraes pediu destaque.

Em seu argumento, Moraes disse que se  jurisprudência admite, desde a década de 1960, que um homem chamado de corno possa apresentar queixa-crime contra o suposto ofensor, a mulher também deve poder.

Acompanharam o pensamento de Alexandre de Moraes os ministros Marco Aurélio e Rosa Weber.

Votaram contrários Fux e Luís Roberto Barroso, que alegou que a “ofensa” proferida pelo senador não dizia respeito à “traição”, mas sim à suposta “homossexualidade”.

Em sua defesa, o senador Roberto Rocha disse que nunca teve a intenção de ofender Samya ou qualquer outra pessoa, e alegou que o caso tinha motivação política da esposa do deputado, que buscava criar uma situação favorável a seu marido. A queixa-crime será processada pelo Supremo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA