Aos gritos de ‘Bolsonaro’, travesti é assassinada no centro de SP
Aos gritos de ‘Bolsonaro’, travesti é assassinada no centro de SP (Arquivo Pessoal)

A Polícia Militar investiga a morte de uma travesti na madrugada desta terça-feira (16), no Largo do Arouche, região central de São Paulo. Uma testemunha que será ouvida pela investigação nesta quarta-feira (17), afirma ter visto quatro homens que teriam a agredido até a morte e durante o crime, além de gritar o nome do candidato à presidência do Brasil Jair Bolsonaro algumas vezes. As informações são do UOL.

De acordo com a Polícia Militar, a vítima foi esfaqueada por volta de 5h da manhã e levada para a Santa Casa, mas não resistiu ao ferimento que gerou uma grande hemorragia, morrendo a caminho do hospital.

A vizinha que alega ter assistido toda a ação, falou ao UOL em condição de anonimato e afirmou que acordou quando ouviu gritos advindos de um bar nas imediações. “Foi uma gritaria demorada, com muitos xingamentos, e os agressores, não sei se um ou mais, gritava algo sobre o fato de a pessoa ser travesti e sobre ‘Bolsonaro'”, relatou ela que também é transexual.


Leia Mais:

Com mais de 350 mil votos ao Senado, travesti quer disputar prefeitura de BH

Nova série de Pokémon indica casal lésbico shippado por fãs em teaser

“Logo depois ouvi os gritos de socorro: ‘Me ajuda, meu sangue, meu sangue…’, e quando olhei novamente, ela atravessou alguns metros e não a vi mais. Desci e vi muitas poças de sangue em frente a um hotel – onde eu soube que ela pediu socorro”, completou.

Também sem se identificar, um segurança de um hotel localizado na região disse à reportagem que chamou a polícia após a travesti, muito ensanguentada, tentar abrir a porta do estabelecimento para pedir ajuda.