Bandeira trans
Bandeira trans (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil de Porto Real do Colégio, município localizado a 170 km da capital Maceió, investiga o mandante da morte da travesti Lorrane, na última sexta-feira (12). A motivação do crime seria o envolvimento com tráfico de drogas.

De acordo com informações das autoridades, a vítima havia sido presa em em junho deste ano junto com mais de uma dezena de suspeitos do tráfico, em meio a uma operação que percorre cinco municípios alagoanos.

LEIA MAIS:


Desentendimento sobre suposto programa entre travesti e jovem acaba em agressão no Sergipe

Pressionada para aderir campanha contra Bolsonaro, Claudia Leitte desconversa: “Com amor, conseguiremos fazer uma revolução”

Porém, Lorranne estava em liberdade há cerca de quinze dias, após deixar o sistema prisional de Arapiraca. “Com certeza tem relação com o tráfico de drogas. Ele foi preso como integrante da quadrilha que tinha cerca de treze pessoas. Ele foi um dos réus confessos, armazenava droga na casa dele. A principal linha de investigação é acerto de conta por causa do tráfico”, afirmou chefe de operações, Welber Cardoso. As informações são da Gazeta web.

O crime ocorreu no bairro Tancredo Neves, localidade onde Lorrane morava, e os disparos efetuados por dois homens ainda não identificados.