bandeira lgbt
Bandeira LGBT (FOTO: Reprodução/Internet)

Desde o início desta semana o governo dos Estados Unidos deixou de emitir vistos aos parceiros de mesmo sexo por diplomatas estrangeiros e funcionários das Nações Unidas que não sejam casados e residam no país. As informações são da agência Efe.

A medida foi aprovada em julho, mas só entrou em vigor nesta segunda-feira (1°), e já gerou fortes críticas, visto que o casamento homossexual continua sendo ilegal em vários países e, em alguns, a comunidade LGBT sofre forte perseguição.

Os EUA explicam que a decisão faz parte das mudanças que tem o intuito de adaptar às políticas à decisão da Suprema Corte americana, que em 2015 legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo.


Até então, se um diplomata solicitasse um visto de acompanhante para o cônjuge do mesmo sexo, os EUA pediam unicamente que fossem casal de fato. No caso dos casais heterossexuais, o governo americano já requeria o casamento para este tipo de visto, conhecido como G-4, que passa a ser também um requisito para os casais homoafetivos.

LEIA MAIS:

Com cenas quentes, Gloria Groove lança clipe com Taiguara Nazareth; assista “Apaga a Luz”

Criadores de Pose revelam que empresário transfóbico na série foi inspirado em Trump

Os casais homossexuais que quiserem manter o visto que possuem atualmente deverão apresentar às autoridades uma certidão de casamento até 31 de dezembro. Caso contrário, eles deverão deixar o país em até 30 dias, a menos que obtenham outro tipo de autorização.

A medida do governo de Donald Trump revoga lei implementada em 2009 pela então secretária de Estado, Hillary Clinton, para proteger os casais de mesmo sexo. Ativistas LGBT criticaram a postura tomada pela gestão.