O garçom Lucas Chaves Pinho desaparecido após sair para um encontro
O garçom Lucas Chaves Pinho desaparecido após sair para um encontro marcado em aplicativo gay (Foto: Acervo Pessoal)

A Polícia Civil do Rio de Janeiro, investiga o desaparecimento de Lucas Chaves Pinho, de 32 anos, que sumiu desde a madrugada no último domingo (30), quando saiu de casa em Rio das Pedras, em Jacarepaguá, Zona Oeste carioca, para um encontro com um rapaz que conheceu em um aplicativo de celular.

Familiares do homem registraram Boletim de Ocorrência (B.O) na segunda-feira (1°), na 16ª Delegacia de Polícia (DP), na Barra da Tijuca. Dois primos de Lucas afirmaram para o jornal Extra que Lucas costumava utilizar o Hornet, app utilizado para encontros entre homossexuais.

“Um deles teve acesso às imagens das câmeras de segurança do prédio e constatou nas imagens que duas pessoas entram no apartamento minutos depois que a vítima saí do local. O Lucas saiu de casa a 1h02. A 1h35, dois homens abriram a porta do apartamento dele com chave, ficaram cerca de cinco minutos lá dentro e saíram levando uma televisão e um roteador. Um estava de capuz e outro parece que estava com uma peruca. Depois disso, o Lucas já não visualizou mais as mensagens no WhatsApp“, contou.


LEIA MAIS:

Time do Goiás pode ser punido após gritos homofóbicos de torcida contra goleiro do Londrina

Candidatos do PSL e eleitores de Bolsonaro destroem homenagem pública feita à Marielle Franco

Nascido em Monsenhor Tabosa, no Ceará, Pinho morava há seis anos no Rio e trabalha como garçom em um restaurante da Barra. Os dois homens que entram no apartamento de Lucas parecem saber da existência da câmera no corredor. Um deles chega de capuz e o outro cobre a cabeça com a camisa. Agora, os parentes de Lucas pretendem levar o material para a polícia investigar quem são os homens que entraram na casa.

Em nota, a Polícia Civil informou que “as investigações estão em andamento na Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA)” e que “diligências estão em andamento para elucidar o fato”.