Humorista John Oliver afirma que Bolsonaro é o “Trump Brasileiro” em programa de TV americano
Em programa de TV americano, humorista John Oliver comenta sobre movimento contra candidatura à presidência de Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução/HBO)

A situação política no Brasil foi tema do programa Last Week Tonight, da HBO, exibido no domingo (07), e que costuma fazer sátiras sobre a política. O apresentador John Oliver comentou a respeito da eleição do candidato do PSL Jair Bolsonaro, que liderou o primeiro turno. Apontado como uma versão latina do presidente Donald Trump.

“A melhor coisa que você pode dizer sobre Bolsonaro, é que ele não foi denunciado por um escândalo de corrupção…ainda”, inicia. “Infelizmente essa é, literalmente, é única coisa boa que você pode dizer sobre ele pois ele é um ser humano terrível”, disparou.

O posicionamento do candidato com as armas também foi lembrado ao fazer o símbolo de arma com a mão, inclusive ensinando uma criança para fazer o mesmo sinal.


O apoio de jovens de classe média também foi criticado pelo humorista. “é preocupante como os jovens estão tão animados com ele pois ele é da direita extrema conservadora que quer retirar o Brasil do Acordo de Paris sobre Mudança do Clima e Regulamentação do Meio Ambiente (tratado que reúne 195 países para reduzir a emissão de dióxido de carbono), ele chamou o refugiados chegando no Brasil de escória do mundo e, para segurança, ele quer facilitar o porte de arma presumindo que os brasileiros lutem por si mesmos.”

LEIA MAIS:

Após assumir bissexualidade, Alyson Stoner lança clipe com beijo lésbico; assista

Histórico! São Paulo elege duas transexuais para a Assembleia Legislativa

O fato de Bolsonaro ser a favor da Ditadura Militar, regime instaurado no Brasil de 1964 a 1985, também foi comentado. “O que é particularmente preocupante já que ele é um capitão militar aposentado em um país aonde até 1985 era comandando por um brutal regime militar ditatorial, e enquanto esse regime acionou torturas e assassinatos extrajudiciais, Bolsonaro disse que o erro foi ‘não ter ido além o suficiente’.”

Momentos considerados controversos do político também foram exibidos como quando ele disse que a ministra Maria do Rosário não merecia ser estuprada e a entrevista à Ellen Page quando ele diz que a assediaria mesmo sabendo que ela era lésbica.

Oliver encerra o seu discurso elogiando o movimento “#EleNão” e mandou um recado para os brasileiros. “Brasil, eu sei que vocês estão com nojo da sua política no momento e eu sei que vocês não estão inspirados com nenhuma das alternativas, mas qualquer coisa é melhor do que Bolsonaro. O ponto é, Bolsonaro não reflete o melhor de quem vocês são, Brasil. E com sorte, vocês ainda tem uma chance de votar Ele Não e não deixar esse homem apontar uma arma para a sua democracia”, finalizou.