Fernando Haddad
Fernando Haddad (Divulgação)

O primeiro turno das eleições para presidente já se avista no horizonte e, até o momento, o cenário que se projeta não é dos melhores para a comunidade LGBT. Neste ano em que o movimento social LGBT completa 40 anos de história de luta por reconhecimento, é imperativo que elejamos políticos comprometidos com as causas LGBTs.

Como já mostramos aqui, os presidenciáveis Ciro Gomes (PDT) tem várias propostas para a comunidade LGBT, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) não tem nenhuma proposta concreta para essa população, aliás, o ex-deputado sequer menciona a sigla “LGBT” em seu plano de governo. Já Marina Silva (Rede) mostrou uma evolução quando comparado à eleição de 2014. Por fim, o tucano Geraldo Alckmin (PSDB) apresentou apenas “diretrizes” sem nada de concreto para a comunidade LGBT.

Leia mais:


Ciro Gomes promete criar Secretaria Nacional para a Cidadania LGBT e combater a homofobia

Marina Silva promete promover política para garantir o respeito e o direito às pessoas LGBTI

Bolsonaro ignora direitos LGBT em seu plano de governo

Geraldo Alckmin não apresenta propostas concretas para os LGBTs em seu plano de governo

Entre os presidenciáveis, apenas Ciro, Haddad e Boulos assinaram compromisso com direitos LGBT

Hoje, analisaremos as propostas de governo de Fernando Haddad que, se eleito, trabalhará sobre duas vertentes principais, no tocante às lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros: criminalização da homofobia e ampliação a nível nacional do projeto Transcidadania, que educa pessoas trans, qualificando-as para o mercado de trabalho.

De acordo com as propostas do partido, Haddad comprometeu-se em fortalecer o Sistema Nacional LGBTI+ e criar a Rede de Enfrentamento à Violência contra LGBTI+, visando a implementação de políticas de promoção da orientação sexual e identidade de gênero em todos os órgãos – federal, estadual e municipal.

Ainda, o petista defende a criação de uma lei que responsabilize aqueles que forem pegos cometendo crime de ódio, como LGBTfobia.

No tocante à população trans, se eleito, Haddad diz que implantará em todo o país o projeto Transcidadania, que se mostrou um sucesso em sua gestão frente à Prefeitura de São Paulo.

O Transcidadania garante bolsas de estudos para transgêneros em situação de vulnerabilidade social para que possam concluir o ensino médio e fundamental, articulado com a formação profissional.

Por fim, o Partido dos Trabalhadores ressalta que as pautas LGBT tiveram avanço significativo no país após políticas afirmativas implantadas para essa população durante os governos Lula e Dilma, como a criação da Política Nacional Integral de Saúde da População LGBT (2011), Programa Brasil Sem Homofobia (2004) e a criação da Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência.

 

 

1 COMENTÁRIO

  1. O PT já criou bolsa para tudo. Com certeza nesse mandato não terá como pagar nenhuma delas, pois já roubou todas as estatais, afundou o Brasil e agora quer acabar com as reservas cambiais. Nós do Sudeste e do Sul ainda poderemos pedir esmola para os argentinos, mas os nordestinos terão que se jogar no mar para morrer mais rápido, porque morrer de fome é muito mais difícil.

DEIXE UMA RESPOSTA