Cena do filme Crime Barato
Cena do filme Crime Barato (Foto: Divulgação)

A exibição do filme “Crime Barato”, na Escola Estadual Maria Constança de Barros Machado para uma plateia de alunos em média de 14 anos, em Campo Grande, causou polêmica nas redes sociais, após um homem, que se intitula pai de um dos estudantes que estava presente na sessão, publicou um post no Facebook criticando o fato da instituição passar o longa por conter cenas de sexo gay.

Intitulada “Denúncia Gravíssima” , o homem crítica o fato de transmitir “um filme de sexo explícito de cunho homossexual onde os alunos não foram avisados de seu conteúdo sexual”. Segundo ele, não foi informado aos adolescentes sobre o conteúdo da produção que foi rodada na capital mato-grossense.

Ainda de acordo com o relato, a turma foi impedida de sair da sala durante a apresentação ameaçada pelo responsável caso alguém filmasse ou fotografasse as cenas, na qual em uma delas, um homem aparece pelado e outra o mesmo personagem surge na cama simulando sexo com uma transexual.


“Esse lixo de filme é intitulado O Crime Barato, foi rodado em Campo Grande e pasmem, financiado com verba pública”, critica o homem no post que traz ainda um trecho do filme gravado de um celular provavelmente durante a sessão que exibiu as cenas que causaram protesto.

LEIA MAIS:

Time do Goiás pode ser punido após gritos homofóbicos de torcida contra goleiro do Londrina

Facebook barra anúncios com conteúdo LGBT

Procurado pelo site Campo Grande News, o diretor da escola explicou que não há nenhuma cena de sexo explícito em toda duração do filme, que foi exibido pela classificação indicativa ser compatível com a faixa etária dos alunos.

“Até porque a classificação do filme é 14 anos. Caso contrário, teriam censurado para idade superior”, justificou. “O que está pegando de fato, é que a coisa tem viés político e religioso radical”, acredita. 

Em contato com a assessoria da Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul (SED), o Lado B soube que a história não é como a contada na publicação. “Os alunos foram informados que o filme tinha algumas imagens mais fortes. Eles concordaram em assistir e as portas ficaram abertas o tempo todo. Se eles quisessem sair caso ficassem incomodados podiam, inclusive cerca de 6 alunos chegaram a se retirar, conversaram lá fora sobre o filme, e dois voltaram a seus lugares”, explicou a SED por meio de nota.

Com direção de Mhiguel Horta, o Crime Barato, protagonizado pelos atores João Pedro Xavier, na pele de Michael, e Diogo Adriani que interpreta Elias, conta a história de um casal que ao longo da trama vê os conflitos pessoais interferirem no relacionamento.

Suposto pai de Aluna critica exibição de filme com temática LGBT em escola no Campo Grande
Suposto pai de Aluna critica exibição de filme com temática LGBT em escola no Campo Grande (Foto: Reprodução/Facebook)

 

DEIXE UMA RESPOSTA