Ciro, Haddad e Boulos, respeticamente

As eleições estão chegando e, para as minorias sociais, este é um momento de oportunidades para angariar aliados na luta por conquistas de direito e representatividade.

Enquanto ainda não existe nenhum político assumidamente homossexual concorrendo à presidência da República – sequer existe no Congresso, representado apenas por Jean Wyllys (PSOL-RJ) -, é importante eleger aqueles que assumem compromissos com a causa.

Entre os atuais postulantes ao Planalto, apenas três assinaram compromissos da Plataforma pelos Direitosa LGBTI+ no Brasil: Ciro Gomes (PDT), Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL).


Os demais candidatos ignoraram a Plataforma. Outros, como Jair Bolsonaro, sequer citam a comunidade LGBT em seus planos de governo.

Leia mais:

“Ô bicharada, toma cuidado, o Bolsonaro vai matar viado”, cantam homofóbicos em SP

Bolsonaro ignora direitos LGBT em seu plano de governo

De acordo com informações do Guia Gay SP, o termo de compromisso foi elaborado pela Aliança Nacional LGBTI para promover a luta pelos direitos da comunidade, além de dar visibilidade a candidaturas LGBT.

Ainda referentes aos presidenciáveis, todos os três incluíram a comunidade LGBT em seus respectivos planos de governo.

Se eleito, Ciro Gomes prometeu criar um Comitê Nacional de Políticas Públicas LGBT e a inclusão do combate ao preconceito por orientação sexual e identidade de gênero no Plano Nacional de Educação, entre outros. Leia todas as propostas aqui.

Fernando Haddad pretende ampliar para todo o país o Programa Trancidadania, que garante bolsas de estudos a pessoas transexuais e travestis e se compromete a criar uma Rede de Enfrentamento à Violência contra LGBTI+, entre outros. Leia todas as propostas aqui.

Já Boulos pretende vetar qualquer lei criada no Congresso que restrinja direitos às pessoas LGBT, ampliar o número de ambulatórios voltados a transexuais e desenvolver ações ao abandono escolar da população LGBT. Leia todas as propostas aqui.

 

DEIXE UMA RESPOSTA