Ronaldo Fraga
Ronaldo Fraga (Reprodução)

O estilista Ronaldo Fraga levou o tema tolerância para as passarelas da São Paulo Fashion Week na última terça-feira (23).

Abordando especificamente o conflito entre árabes e palestinos, e tentando mostrar que todos podem viver em paz e harmonia desde que haja tolerância, o estilista fez um parâmetro com o atual momento vivido pelo país.

Para ele, as portas da intolerância foram abertas, com os brasileiros escancarando o racismo e a homofobia. A declaração foi feita em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo.


Leia mais:

“Se você ama seus amigos vote em Haddad”, pede Pabllo Vittar

Dotadão do pornô, Eduardo Picasso protesta contra Bolsonaro

Em alusão à disputa presidencial, Ronaldo Fraga afirmou que, “ganhe um ou outro [Fernando Haddad ou Jair Bolsonaro], a máscara cai, as portas do armário da intolerância foram abertas”.

“O monstro está à solta e ele não vai ser enfiado de volta no armário no dia 29 de outubro, de um jeito nenhum. Estamos vendo um Brasil racista e homofóbico ganhar força. O que busquei com esse desfile foi colocar a conversa na mesa de jantar, porque acredito que é isso precisamos fazer”.

Sobre o papel da moda na política, ele disse acreditar que seu papel, enquanto estilistas, “é pensar na micro e na macro política e é também entender as diferenças. Dei o exemplo desse café na coleção, que é uma micropolítica, porque acho que temos que estimular esse tipo de atitude. E ficar muito atentos. Se estão atacando o diferente do seu lado, um dia pode chegar sua vez”, completou.