Sexo gay
Sexo gay (Foto: Reprodução/Internet)

Apesar da prática comum entre os gays, o sexo anal ainda é envolto de tabu. Ponto de prazer para muitos, a região não tem a lubrificação natural fabricada pelo corpo, muitas vezes causando incômodo e dor para os passivos, por isso muitos casais recorrem a géis anestésicos ou dessensibilizantes para aliviar no momento do ato e tem grande procura nos sex shops, porém especialistas ressaltam que o cosmético deve ser usado com moderação.

“O importante é escolher um de boa marca e ficar atenta a possíveis anormalidades na hora da prática”, afirmou Caroline Alexandra Pereira, ginecologista e obstetra da Clínica Viváter, de São Paulo (SP) em entrevista ao UOL. “Além de muitos causarem danos ao preservativo, anestesiantes podem ser arriscados por mascarar fissuras na região anal que, mais tarde, são sentidas”, ponderou.

LEIA MAIS:


Um em cada dez empregados LGBTs são incentivados a esconder sexualidade no trabalho

Polícia ouve testemunha sobre morte de travesti no Largo do Arouche (SP) por agressores pró-Bolsonaro

Cláudia alerta ainda que o uso exagerado de produtos como esse podem não só evitar a dor, mas também impossibilitar o prazer, sendo necessário o ativo incentive o ânus do parceiro para deixá-lo mais relaxado e excitado. “Antes da penetração, ainda é válido que o outro estimule a área com os dedos e a língua”, sugeriu.

Ainda na publicação, a terapeuta sexual e de casal do Rio de Janeiro, Milena Franzano, alerta que o uso destes géis podem ter efeito placebo. “O lubrificante é bem melhor do que um produto dessensibilizante, mas muitas mulheres acham que evitar a dor é mais seguro do que facilitar a penetração. Não é”, explicou. Massagens e sex toys específicos para a região também são bem-vindos para ajudar a relaxar e a entrar no clima”, completou.