A atriz Bruna Linzmeyer (FOTO: Instagram)
A atriz Bruna Linzmeyer (FOTO: Instagram)

Em entrevista ao G1 para divulgar o seu mais novo filme “O Banquete”, de Daniela Thomas, Bruna Linzmeyer falou sobre a posição que passou a assumir após começar a namorar a artista visual Priscila Visman há dois anos. Apesar de se tornar um símbolo da causa LGBT e também da luta feminista, ela rejeita o rótulo de “heroína”.

“A gente não precisa de heróis, esse é um problema muito grande que a gente tem de uma educação muito estadunidense”, afirmou a atriz. “Eu não quero ser salva, eu quero estar na rua, estar na luta todos os dias. O que a gente precisa é de pessoas como nós, seres humanos que erram, que acreditam nos direitos humanos, na diversidade das pessoas. É nesse tipo de heroísmo que eu acredito”, completou.

LEIA MAIS:


Linn da Quebrada divulga prévia do seu novo clipe “Coytada”; assista

Pabllo Vittar causa nas redes sociais ao publicar foto com bumbum empinado

As lutas da comunidade LGBT também passaram a fazer parte do seu trabalho. “São narrativas sapatão que quebram os estereótipos de objetificação, necessidade do falo e violência, muito comum nas narrativas audiovisuais lésbicas”, contou.

Escalada para integrar o elenco da próxima novela das 21h, O Sétimo Guardião, Linzmeyer manifestou o desejo de não fazer mais personagens sexualizadas. “Eu tenho vontade de adentrar cada vez mais personagens que não estejam na ronda do sexo, que o sexo não seja a principal característica. Por ser branca, de olho azul e jovem, dentro dos padrões de beleza, eu sou muito ainda enquadrada nesse lugar”, desabafou.

DEIXE UMA RESPOSTA