Bandeira trans
Bandeira trans (Foto: Reprodução)

A cidade de Nova York, nos Estados Unidos, aprovou uma lei nesta quarta-feira (12) na qual derruba a necessidade do aval de um médico ou profissional de saúde mental para alterar o gênero de um cidadão na sua certidão de nascimento. Agora, os pais também poderão colocar um “X” para designar o sexo dos seus filhos recém-nascidos.

A nova legislação deve entrar em vigor apenas em 1º de janeiro de 2019, e foi aprovada por 41 votos a favor e seis contrários. A proposta que não reconhece a binaridade (masculino e feminino) é de autoria da advogada transgênero Carrie Davis que comemorou a medida ressaltando que a mesma chega em um momento que os direitos das pessoas transgêneros estão em risco pela atual gestão do governo Trump.

LEIA MAIS:


Descriminalização da homossexualidade libera economia LGBT na Índia

“Continua sendo símbolo de esperança”, afirma Mônica Benício sobre Marielle Franco

“Hoje é um dia histórico para Nova York, sempre campeã mundial em questões de inclusão e igualdade”, comentou o porta-voz da Câmara Municipal, Corey Johnson para a agência ANSA.

Com a decisão, Nova York se junta aos estados da Califórnia, Oregon e Montana que já disponibilizam a mudança do gênero sem a autorização médica, mas não preveem o sinal X ao invés de masculino e feminino.