Bloco EVA
Bloco EVA (Foto: Divulgação)

O Juizado Especial da Bahia condenou a Estrada Velha Produções, responsável pelo Bloco Eva, a pagar uma indenização no valor de R$ 19.699,00 a um folião que sofreu agressões físicas e verbais de cunho homofóbico por seguranças, enquanto estava dentro das cordas durante a uma das passagens do trio no carnaval de Salvador deste ano.

De acordo com o site Bahia Notícias, a sentença estipulou uma multa no valor de R$ 4.699,00 de danos materiais e R$ 15.000,00 de danos morais o fisioterapeuta Roberto Santana que teve o seu abadá rasgado e o celular quebrado pelos agressores, que deu início a confusão ao dizer ter “nojo” ao vê-lo beijando outro homem.

LEIA MAIS:


Josie Totah publica primeira foto após se revelar como mulher trans

Priscila Tossan, do The Voice Brasil, se declara para namorada: “Devo tudo a ela”

Na sua decisão, a juíza Graça Marina Vieira da Silva entendeu que Roberto sofreu agressões por causa da sua orientação sexual e foi impedido de seguir o desfile após ser expulso do bloco. Durante o julgamento, os seguranças negaram os fatos e afirmaram que, na verdade, a vítima foi retirada do bloco por estar sem o abadá. Um vídeo do momento foi apresentado como prova no processo, que mostra o rapaz com a fantasia.

O grupo Eva indicou, por meio de nota, que respeita a decisão judicial e que juntamente com os seus advogados acompanharão os próximos passos do processo. “Com seus quase 40 anos de história, o Grupo Eva reitera que é a favor da igualdade e não compactua com nenhum tipo de manifestação de preconceito e violência de gênero, sempre agindo em estrito cumprimento às normas e à ética.”