O médico James Hamilton
O médico James Hamilton (Arquivo Pessoal)

O médico James Hamilton, de 50 anos, narrou em entrevista à BBC News, uma série de abusos que ele sofreu por 20 anos praticados por um dos principais líderes da igreja católica no Chile, Fernando Karadima, atualmente com 88 anos.

Os abusos sexuais começaram quando ele tinha 16 anos e buscou refúgio na igreja, na época em que o Chile sucumbia perante a ditadura do general Augusto Pinochet, do qual Karadima era um ferrenho apoiador do ditador.

Hamilton foi convidado a participar da Ação Católica, um grupo de jovens que se reunia na paróquia de El Bosque para ouvir o bispo falar sobre heroísmo, os santos e a necessidade de ser humilde em e obediente. Foi nessa época que os crimes começaram.


“Você não esperava isso – era algo totalmente confuso. Não era possível que esse homem santo estivesse fazendo tudo isso por causa de sua perversão sexual. Não era possível”, disse Hamilton. “Uma coisa terrível é que, toda vez que ele abusava de mim, me mandava confessar com outro padre”.

Esse “outro padre” acobertava os abusos praticados pelo bispo.

Leia mais:

Narcisa Tamborindeguy declara voto em Bolsonaro e revolta LGBTs

Chris Pine fala sobre polêmica cena de nudez frontal do filme ‘Legítimo Rei’

As cenas de violência sexual continuaram acontecendo após o médico se casar e constituir uma família com sua esposa, fato que o levou a pedir a anulação do casamento anos depois. Nesse período, ele citou os abusos praticados por Karadima como o principal motivo pela fracasso do matrimônio e a igreja relutou em aceitar.

“Muitas vezes eu tentei me afastar de Karadima, mas, sempre que eu tentava, ele fazia uma espécie de julgamento com dois ou três bispos e três ou quatro sacerdotes. Eles me colocavam em um quarto e diziam que o diabo estava dentro de mim”.

Após o médico conseguir a anulação do casamento e que os detalhes vazaram, que a igreja católica se viu obrigada a investigar o bispo Fernando Karadima.

Como condenação, a igreja determinou que Karadima passasse a viver uma vida de penitência e oração, e o proibiu de manter contato com ex-párocos ou fiéis, bem como de realizar qualquer ato pastoral.

“Eles quase mataram meu coração, minha alma… quando você mata a alma – e eu posso te dizer isso como médico – você começa a matar o corpo. Crianças que foram abusadas viverão 20 anos menos, então o que estamos falando? Eles são criminosos”, afirmou Hamilton.

4 COMENTÁRIOS

  1. O sofrimento do doutor Hamilton é uma ferida que doerá sempre. Felicito-o pela coragem de falar abertamente à BBC. O que mais entritece é o fgato de o crime – ou melhor, os crimes – ter ocorrido no seio de uma instituição religiosa que port séculos perseguiu os homossexuais. Rezarei para que o “jovem” (sou mais velho do que ele) encontre paz de espírito e que a Igreja puna severamente os responsáveis, malgrado a idade avançada.

  2. A igreja Católica foi e ainda é um câncer na vida de muitas pessoas. Muitos padres homessexuais se escondem atrás das batinas para molestar ,abusar e colocar para fora seus instintos pervertidos, traumatizando jovens para o resto de suas vidas. Essa pessoas precisam ser punidas. É um crime igual ou pior que qualquer outro. Como disse o médico, é um crime da alma, principalmente! Por Deus Papa Francisco, vamos dar um basta nesses abusos!# INVESTIGAÇÃO E PUNIÇÃO JÁ!

  3. Abusado durante 20 anos….tá bom…. Fez na maior parte do tempo porque quis e gostava. Chega de hipocrisia. Vão querer que acredite em papai noel também. Esse pessoal, sabe que alguns da igreja são gays, se aproveitam para tirar vantagem depois.

DEIXE UMA RESPOSTA