Sala de Aula
Sala de Aula (Foto: Reprodução/Internet)

A secretária do governo para a igualdade entre homens e mulheres da França, Marlene Schiappa, repudiou durante uma live no Facebook realizada recentemente, as fake news que começaram a circular nas redes sociais que davam conta de estudos sobre sexualidade e gênero para alunos em idade pré-escolar a partir do início do ano letivo, em setembro.

As informações falsas tomam como base documentos ilegítimos e vídeos conspiracionistas a respeito de um suposto perigo à espreita das crianças na próxima semana. Dentre os vídeos que mais viralizaram na internet, está o de uma mulher, que se diz mãe de família e foi visto mais de um milhão de vezes no Facebook.

Nas imagens, ela afirma que práticas sexuais serão ensinadas para as crianças, além de induzí-los a uma sexualidade precoce. No entanto, o governo alega que essas notícias não procedem.


LEIA MAIS:

Ativistas exigem renúncia de deputada japonesa que chamou LGBTs de “improdutivos”

Professora vítima de transfobia troca indenização de R$ 20 mil por aula aos agressores

A mulher se referia a lei contra violências sexuais e sexistas, promulgada no último dia 3 de agosto e não aborda a questão da educação sexual. Na verdade, o texto de autoria da própria Schiarpa pede que seja melhor aplicada uma lei de 2001, que prevê três sessões de educação sexual por ano, da escola primária ao ensino médio. Não há projetos desta natureza, destinados para estudantes da pré-escola.

“É um absurdo falar em masturbação ou qualquer outra prática sexual a crianças, muito menos quando elas têm quatro anos”, disse Scarpia durante a live que respondia dúvidas dos internautas.

DEIXE UMA RESPOSTA