Cantora Anitta na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo de 2017
Cantora Anitta na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo de 2017 (Foto: Francisco Cepeda/AGNews)

Após desabafar em seu perfil no Instagram, por ser cobrada pelos seus fãs e seguidores a se posicionar contra o candidato à presidência Jair Bolsonaro, que está no centro de uma campanha encabeçada por famosas nas redes sociais, intitulada “Ele Não”, a cantora Anitta levou a discussão para o Twitter, onde também foi obrigada a lidar com a repercussão do assunto.

A funkeira se defendeu das acusações de não apoiar a comunidade LGBT, no qual disse também fazer parte. “É totalmente incoerente dizer que eu apoio a morte à comunidade LGBTQ+ quando eu faço parte dela. Estaria apoiando minha própria morte”, declarou ela na rede social.

LEIA MAIS:


Johnny Hooker beija guitarrista durante show em Barcelona e manda recado para Pabllo Vittar: “Quero esse momento com você”

Ator de Power Rangers quer sequência explorando sexualidade de heroína lésbica

Apesar da pressão que sofreu dos seus admiradores, Anitta manteve o seu posicionamento. “Não quero ser obrigada a odiar ninguém por isso. Não quero ser obrigada a fazer campanha política quando não foi esse o trabalho que escolhi”, justificou.

Inimigo dos LGBTs, Bolsonaro já foi acusado e condenado por fazer declarações homofóbicas que podem ser propagados como crimes de ódio, mas não pode ser enquadrado com uma pena, neste caso, por ter um cargo parlamentar.