Em show solo, guitarrista Tom Morello pede “Justiça para Marielle”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em seu show solo realizado em Porto Alegre, neste sábado (15), o guitarrista Tom Morello, do Prophets of Rage, Audioslave e Rage Against the Machine, fez um protesto contra o assassinato da vereadora do PSOL Marielle Franco, que aconteceu em março deste ano no centro do Rio de Janeiro, e ainda não foi solucionado, mesmo após seis meses do ocorrido.

Escrito em português, o músico exibiu um cartaz colado na sua guitarra onde podia se ler: “Justiça para Marielle”. O ato foi feito durante a apresentação da música “Killing in the Name“. Nas redes sociais, fãs do artista aplaudiram a sua atitude. “Teve Killing in the Name of e teve Justiça para Marielle. Tom Morello é foda”, exclamou um internauta.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista aos jornalistas neste domingo (16), Morello explicou o motivo da manifestação. “Como no meu país, os Estados Unidos, o Brasil vive um momento de crise democrática. O assassinato sem solução da Marielle é um exemplo que mostra isso. Eu quis mostrar meu apoio e solidariedade aos brasileiros que lutam pelos pobres, pelos trabalhadores, pelo meio ambiente e contra o fascismo. É por isso que eu toco e é esta mensagem que estou levando ao palco hoje”, disse.

LEIA MAIS:

“Ser LGBT no Brasil é assustador”, dispara Johnny Hooker

Netinho declara apoio à Bolsonaro nas redes sociais: “Tem muito a fazer pelo povo brasileiro”

A vereadora foi brutalmente assassinada no dia 14 de março enquanto saía de um evento sobre combate ao racismo, na Lapa. No momento da ação, estava no carro junto a sua assessora e o motorista Anderson Pedro Gomes, que também foi atingido pelos disparos e não resistiu. 

Em recente entrevista à AFP, a viúva da parlamentar,  Mônica Benício falou sobre o crime ser solucionado. “Não por uma questão de vingança, mas por uma questão de justiça, para assegurar que ainda existe um Estado de direito no Brasil”, analisou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio