Ivan Batista e o prefeito de SP Bruno Covas
Ivan Batista e o prefeito de SP Bruno Covas (Reprodução)

Depois de ter o nome envolvido em um escândalo de corrupção durante a 22º Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, a Corregedoria Geral do Município da capital paulista afastou o então coordenador Ivan Batista de suas funções por 120 dias.

De acordo com denúncia apresentada pela ex-secretária de Direitos Humanos de São Paulo, Eloísa Arruda, Batista teria explorado patrocínios e trios elétricos da Parada deste ano. Ele nega as acusações.

Leia mais:


Homem dá entrada em hospital com consolo de 58 cm preso no ânus

‘Hora da Aventura’ exibe beijo lésbico entre personagens

Ao jornal Folha de S.Paulo, o advogado de Ivan Batista, Dimitri Sales, informou que a denúncia é frágil, e reiterou que seu cliente é inocente das acusações que pesam contra ele de enriquecimento ilícito e improbidade administrativa.

Até o momento, a pasta continua sem um coordenador. Ainda não foi avisado quando a vaga será preenchida.

 

DEIXE UMA RESPOSTA