Bandeira de Israel LGBT
Bandeira de Israel LGBT (Foto: Reprodução)

Com duas horas de atraso e sob forte esquema de segurança, a Marcha do Orgulho LGBT de Jerusalém aconteceu nesta quinta-feira (02) entre um clima festivo, mas também marcado pelo confronto entre um grupo de extrema-direita anti-gay e as forças de segurança. As informações são da agência Efe.

O desfile teve concentração no Parque do Sino da Liberdade, e logo nos seus primeiros instantes, o grupo de extrema-direita Lehava enfrentou a polícia e quatro de seus integrantes foram detidos.

Este ano, o evento pela diversidade traz como foco a luta da comunidade LGBT para poder gerar filhos, através da barriga de aluguel, reivindicação que não foi aprovada em julho pelo Parlamento. Entre bandeiras do arco-íris e roupas coloridas, os cerca de 20 mil manifestantes seguiram pelas ruas entoando cânticos como “O povo exige igualdade jurídica” e “Não à violência, sim à tolerância.” Os cartazes exibindo com palavras de ordem como “Eu quero ser pai” e “Tudo começa com pais felizes e jovens” pmbém chamaram a atenção.


LEIA MAIS:

Menino lobo de novela da Record mostra que cresceu e arranca suspiros dos internautas

Trio revela relação poliamorosa em Segundo Sol

“Temos que unir nossas forças em uma luta que jamais foi tão importante”, declarou Tzipi Livni, líder da coligação de centro-esquerda União Sionista e ex-ministra de Relações Exteriores.

“Nosso trabalho não acaba com as marchas, a verdadeira mudança virá com uma nova legislação e uma profunda mudança social e política”, acrescentou a política, segundo a rádio nacional “Kan”.