Prefeitura de Aureville, na França
Prefeitura de Aureville, na França (Foto: Reprodução/Google Start View)

Um casal gay francês acusa a prefeitura de Aureville, localizada no sudoeste do país europeu, após a recusa do prefeito de conceder a permissão para a construção de uma casa no local, sob o argumento que o projeto de vida deles não corresponde ao da cidade.

O consultor de comunicação Sébastian Durand denunciou o caso em seu perfil no Twitter, afirmando que o prefeito Xavier Espic ainda teria declarado ao casal que “Pessoas como vocês, prefiro que venham me ver antes de enviar seus pedidos”.

Durand é casado com Patrick há cinco anos. Eles moram na periferia de Toulose e encontraram um terreno na cidade para construir uma casa. Porém, antes de assinar a compra, fizeram o pedido de autorização para a construção à prefeitura, que passou por vários problemas, como relatado na rádio local France Info.


O político classificou o projeto como uma “ousadia” do casal gay, por trazer uma proposta muito sofisticada, além de fazer um gesto homofóbico com as mãos. Ao fim da reunião, Espic terminou afirmando de maneira categórica que não iria emitir a autorização para a construção. Após o encontro desastroso, o casal recebeu uma carta com a recusa da prefeitura.

LEIA MAIS:

Romagaga e Gabriel Leão assumem namoro e anunciam casamento para outubro

Aliada dos direitos LGBT, Marta Suplicy anuncia aposentadoria da política

Entretanto, Espic justificou em entrevista ao site Komitid que o real motivo para a negativa seria a casa não condizer com Aureville. “O projeto não se inscreve nos valores de identidade da cidade e do terreno”, alegou. Segundo a France Info, o casal desistiu de construir a casa, mas procura um novo local em outro terreno da região.

O caso ganhou ampla repercussão nas redes sociais e muitos prefeitos de outras cidades da França fizeram propostas a Durand e Patrick para que construíssem nas localidades as quais administram. “Sou prefeito de um município na região de Côtes d’Armor e acolho vocês, com prazer!”, escreve Arnaud Lecuyer, de Saint Pôtan.