Garotas de programa
Garotas de programa (Foto: Reprodução/Internet)

O assassinato de uma prostituta transexual peruana na França tem causado revolta e uma onda de indignação entre as associações LGBT, informou uma fonte judicial, na segunda-feira (27). As informações são da agência AFP.

Natural do distrito peruano de Cayaltí, Vanesa Campos, de 36 anos, foi morta no dia 16 de agosto no parque Bois de Boulogne, oeste da capital francesa, quando tentava defender um cliente que sofria uma abordagem de assaltantes.

A garota de programa foi atingida com um tiro na região do tórax. Oito pessoas suspeitas foram presas no dia 21 de agosto, sendo cinco delas indiciadas por homicídio em “grupo organizado” e “roubo coletivo”.


LEIA MAIS:

Sandy sobre filho ter uma boneca: “Se for gay, nenhum problema com isso”

Forças Armadas da Suécia lançam campanha LGBT com soldados

Vanessa morava há dois anos em Paris, e enviava dinheiro para sua família todo mês. A sua morte ganhou repercussão ao ser veiculada nos meios de comunicação locais e desencadeou protestos de prostitutas e militantes LGBT.

As associações exigem a revogação de uma lei sobre prostituição adotada em 2016 que impõe multas de até 3.750 euros (cercas de 18 mil reais) aos clientes. A medida obrigou as profissionais do sexo a fazerem ponto em lugares mais afastados, longe da polícia. Porém, mais passíveis de sofrerem agressões.