Banheirão
Banheirão (Foto: Reprodução/Internet)

A prática do banheirão nas estações do Metrô de Salvador tem incomodado muitos usuários do transporte público e resultado em queixas daqueles que não estão interessados na famosa pegação.

Os encontros costumam ser marcados através das redes sociais, onde são trocadas informações de qual das estações são as mais “tranquilas”e sobre como se comportar, através dos códigos do grupo. “Não diga nada! Não se comunique com palavras, só com gestos e olhares. Não force, se um cara não está a fim que você encoste no pênis dele, procura outro. Não fique puxando pessoas, cada um faz o que quer. Se perceber que está atrapalhando, saia!”, orienta uma das páginas.

Em reportagem ao jornal Metro1, alguns dos adeptos do sexo casual em locais públicos reclamaram da forma truculenta como os seguranças da CCR Metrô os tratam ao serem pegos em flagrante.


LEIA MAIS:

Mudança em formulário impede registro de criança por casais gays na Itália

Madri recebe primeiro asilo para idosos LGBT do mundo

Procurada pela publicação a concessionária CCR Metrô afirmou que lançou desde o início do ano a campanha “Tô de Olho” para coibir a prática do banheiro nas estações. “A ação educativa estimula a participação do usuário para contribuir com a segurança e bom funcionamento do modal. As irregularidades flagradas devem ser comunicadas imediatamente para que as providências possam ser adotadas no ato, com a autuação em flagrante dos infratores”, diz a empresa.

Em nota, a CCR Metrô Bahia informou ainda contar com mais de 500 seguranças, além de mais de duas mil câmeras que monitoram as estações. “O Decreto Estadual nº 15.197, de junho de 2014, que rege o Sistema Metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, também proíbe a prática de qualquer ato do qual resulte embaraço ao serviço ou que possa acarretar perigo ou acidente nos trens ou dependências metroviárias.”